Notícia publicada no jornal PÚBLICO a 7/Novembro/2000 - Secção Local Lisboa

Candidaturas das vinhas do Pico, Algar do Carvão e Furna do Enxofre
Açores Mostrou-se à UNESCO

Por NUNO MENDES COM LUÍS FILIPE SEBASTIÃO
Terça-feira, 7 de Novembro de 2000

Uma responsável da UNESCO visitou, nos últimos dias, o arquipélago dos Açores, onde se inteirou das intenções do governo regional de candidatar as vinhas do Pico, o Algar do Carvão e a Furna do Enxofre a Património Mundial.

O Governo Regional dos Açores vai apresentar, brevemente, os projectos de candidatura das vinhas do Pico e do Algar do Carvão, na ilha Terceira, e da Furna do Enxofre, na Graciosa, a Património da Humanidade. Ontem, o secretário regional do Ambiente, Ricardo Rodrigues, esteve reunido com a directora da UNESCO para o património cultural e natural, Mathilde Grossler, tendo manifestado da parte do executivo insular a vontade de apresentar, o mais depressa possível, os três projectos de candidatura.

A reunião serviu também para fazer o balanço da visita que aquela responsável realizou ao arquipélago durante os últimos três dias. Ricardo Rodrigues manifestou-se "muito confiante" na aprovação dos projectos açorianos. Segundo o governante, "dos encontros mantidos com a directora da UNESCO foram retiradas algumas informações importantes que vão facilitar a organização da candidatura". Em causa estão "os documentos necessários apresentar", já que, adiantou, "existem diversas obrigações que terão de ser cumpridas", a partir do momento em que sejam enviados para a UNESCO todos os processos que estão a ser organizados.

O secretário regional do Ambiente reforçava assim uma ideia já transmitida pela própria Mathilde Grossler: "Não basta pensar que tudo isto merece ser Património Mundial. É também preciso demonstrar inequivocamente que os locais escolhidos têm mesmo condições para ser considerados únicos a nível mundial."

Os três locais propostos para classificação são já considerados património ambiental regional. As vinhas do Pico destacam-se na paisagem com os característicos muros de pedra basáltica que as delimitam. O Algar do Carvão é constituído por uma gruta vulcânica que se prolonga por algumas centenas de metros na ilha Terceira. A Furna do Enxofre, na Graciosa, também resultado da actividade vulcânica no arquipélago, possui mais de cem metros de profundidade.

As maiores expectativas vão para a classificação da área das vinhas do Pico e dos muros de suporte que protegem as videiras do vento. "É uma paisagem humanizada que possui características muito próprias. A directora confessou ter ficado muito impressionada", adiantou Ricardo Rodrigues. Em relação ao Algar do Carvão e à Furna do Enxofre, o secretário regional explicou que deverão ser considerados "património natural, devido às suas características geológicas".

A visita de Mathilde Grossler serviu para confirmar "que existem reais possibilidades de conseguir a declaração de património natural", explicou o governante. O processo de elaboração das candidaturas, que só agora vai começar, deverá prolongar-se durante algum tempo, visto que não ser algo simples. Serão necessários "levantamentos topográficos, mapas geológicos e explicações científicas, no caso do Algar do Carvão e da Furna do Enxofre". Assim, na melhor das hipóteses, a UNESCO apenas se deverá pronunciar em 2002.

Na calha desde 1996

Mas, para que este calendário se cumpra, as candidaturas terão que ser formalmente apresentadas até Junho de 2001. Após a sua conclusão por parte do governo regional, as propostas deverão ser entregues ao grupo de trabalho interministerial criado para acompanhamento das candidaturas nacionais, por forma a receberem "a chancela" do Estado português. Esta é uma condição prévia indispensável para que as propostas possam ser apreciadas pelo Comité do Património Mundial, organismo da UNESCO encarregue das classificações como Património da Humanidade.

Segundo uma fonte da comissão nacional da UNESCO, a deslocação de Mathilde Grossler inseriu-se no âmbito de um contacto prévio com as autoridades açorianas, à margem das visitas técnicas que o Comité do Património Mundial desencadeará na fase de apreciação da candidatura. A região poderá então voltar a ser visitada por técnicos do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios e da União Internacional de Conservação da Natureza, organismos não governamentais de consultoria da UNESCO, respectivamente, para o património edificado e para os valores naturais.

As propostas do Algar do Carvão e a Furna do Enxofre, como património natural, e das vinhas do Pico, como Paisagem Cultural, foram incluídas na lista portuguesa indicativa de candidaturas a Património da Humanidade em 1996. Na lista apresentada à UNESCO figuram também os centros históricos de Marvão, Santarém e Guimarães e a região vinícola do Douro.